Jim Haynes, de 83 anos, é o tipo de pessoa que não gosta de comer sozinha. Nem mesmo em casa. Todo domingo – exceto alguns durante o mês de agosto, como está dito em seu próprio site –, ele costuma convidar, literalmente, todo mundo para jantar em Paris, e isso acontece há mais de três décadas.

Podemos dizer, aliás, que esse professor de estudos midiáticos e políticas sexuais na Universidade de Paris tem muitos amigos – ou que seu conceito de amizade é um tanto amplo. Você, inclusive, pode ser o próximo convidado.

Créditos: Divulgação/Kang L

Jim Haynes não gosta de comer sozinho

Jim, aliás, já estava familiarizado com o conceito de rede social muito antes do surgimento do Orkut ou do Facebook.

Não importa de onde você seja, tampouco sua religião, sua cor, o time para o qual torce, sua identidade de gênero. A “página” do professor está aberta a todos – e é a sua própria casa nos jantares de domingo.

Se pudesse, ele diz que apresentaria todas as pessoas do mundo umas às outras. Jim Haynes seria, então, o elo comum a todas naquela história dos seis graus de separação – teoria segundo a qual são necessários no máximo seis laços de amizade para que dois indivíduos quaisquer estejam ligados.

Créditos: Divulgação/Kang L

"Algum brasileiro pra me ajudar com o churrasco?"

Digamos que a rede “real” de Haynes é muito melhor que as virtuais em vários aspectos. Em vez de fotos de comida, tem comida de verdade, por exemplo. E a cada semana feita por um cozinheiro diferente – não necessariamente profissional. Se você mandar bem na gastronomia, pode se candidatar também.

E ele não vai te bloquear se for um dos 60 primeiros no inverno, ou 120 no verão, a se inscrever, por telefone ou e-mail, para participar do jantar – esses são os números máximos de convidados, de acordo com a estação do ano.

Créditos: Divulgação/Kang L

As boas-vindas de Jim: “Trate um completo desconhecido como um amante, abrace-o como sendo seu melhor amigo, ou como se há 10 anos você pudesse fazer um sexo fabuloso com esse mesmo estranho. Agora a vida está devastada, e nós oferecemos amor da mesma raiz ilimitada da compaixão”

Jim Haynes também viaja muito. Nascido nos Estados Unidos, já morou na Venezuela e na Escócia antes de se estabelecer em Paris. Nos anos 1980, escreveu guias de viagem inusitados de países do leste europeu: em vez de pontos turísticos, listava mil biografias de habitantes de cada localidade.

Mais que jantares, Jim aprecia pessoas. Diversidade, tolerância e inclusão são ingredientes sempre à mesa nos encontros que promove.

Sendo assim, não faça cerimônia. Sirva-se. Como se estivesse em casa.

Por QSocial