O nome é esquisito: mpant. Mas o método está revolucionando o Ensino à Distância (EaD). Criado em 2015 pelo professor indiano MM Pant, que lhe empresta o nome, trata-se de um método de ensino para preparar alunos para provas e concursos com aulas por WhatsApp.

Créditos: Racorn/Shutterstock

A plataforma mpant está oferecendo alguns cursos gratuitos, entre eles o de Redação para ENEM

Além de conversar com o aluno, o professor consegue colar texto, imagens e links no chat e tornar mais atrativo o ensino para uma geração fissurada em digitar na telinha.

Depois da Índia, onde já conta com 1 milhão de usuários, e da China, onde a metodologia está sendo implantada em escala monumental e com outro nome, o mpant acaba de desembarcar no Brasil.

O empreendedor que está à frente do que promete ser a forma mais inovadora de conectar professor e aluno, sem a pretensão de substituir o ensino formal, é o educador Renato Bulcão, 60 anos. Pesquisador e especialista em EaD, é a primeira vez que envereda pelo mundo dos negócios de educação. Tanto que continua atuando como docente e coordenador do curso de Filosofia da UNIP. “Vivemos numa sociedade líquida. O EaD transforma e democratiza a noção de tempo-espaço do ensino, que antes era exclusivo da sala de aula e regido pela autoridade da instituição”, defende.

“O Estado de São Paulo adota a dialogia como padrão de ensino. Usar WhatsApp significa ter, nas mãos de alunos e professores, um sistema dialógico que eles já usam. Pense na vantagem que é utilizar uma plataforma com qual as pessoas estão acostumadas, em vez de treiná-las em uma plataforma que não é de seu uso cotidiano”, argumenta Bulcão.

O mpant na Índia forma professores, estimulando-os a montarem seus grupos de alunos. No Brasil, o projeto de aulas por WhatsApp tem duas vertentes: a de treinamento gratuito de professores no método, que já capacitou  quase 500 professores desde maio, e a de venda de cursos para alunos, que já conta com 40 cursos prontos.

“Os professores aprendem a metodologia, que pode vir a ser algo semelhante ao Uber da educação. Eles gostaram bastante da ideia de um ganho adicional, uma renda diretamente ligada à capacidade de serem bons professores”, anima-se o empreendedor. “Se o professor conseguir ter uma turma de 250 alunos e ganhar R$ 4 por aluno, em uma semana ele ganha mais do que nas aulas presenciais”, calcula.

É justamente da rede de ensino estadual paulista que veio a melhor notícia que Bulcão poderia esperar. No último dia 10, a Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou proposta que permite o uso de celular em sala de aula para fins pedagógicos. A previsão é de que, até outubro de 2018, as 5.000 escolas estaduais paulistas disponham de sistema wi-fi e banda larga. Bulcão comemora: “Que eu saiba, somos os únicos no país com pedagogia, didática e um método organizado para oferecer. Sem dúvida, vamos apresentar para a rede estadual”.

O mpant  também está despertando o interesse dos jovens. A divulgação feita desde o mês passado já garantiu cliques de mais de 2.000 alunos curiosos em relação à metodologia de aulas por WhatsApp. Para eles, estão sendo oferecidos cursos grátis. “Já demos aulas de reforço em técnicas de estudo, em Biologia e as próximas serão para Redação”, explica.

Por QSocial