O câncer de mama é o primeiro em taxa de mortalidade em mulheres no mundo. De acordo com a Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS), 14,7% dos casos de morte por câncer em 2012 eram de pacientes com câncer de mama. A taxa de mortalidade para aquele ano era de 521.907 casos.

Créditos: Ami Barwell/ Stand Up To Cancer

Jan Poole, 50, acredita que as fotos vão ajudar outras mulheres que sofrem de câncer de mama a "permanecerem positivas"

Esses números não são apenas frias estatísticas. Eles marcam e deixam cicatrizes profundas em milhares de mulheres todos os dias. Para muitas, a mastectomia (cirurgia de retirada da mama) unilateral ou bilateral é a única saída para enfrentar e continuar lutando contra a doença.

Créditos: Ami Barwell/Stand Up To Cancer

Gillian Trim, 55, de Londres, foi diagnosticada com câncer de mama em 2015

Neste outubro, mês de consciência sobre o câncer de mama, uma campanha poderosa foi lançada no Reino Unido, justamente para inspirar mulheres mastectomizadas a se amarem e a se sentirem mais fortes.

Créditos: Ami Barwell/Stand Up To Cancer

Clare, 48, acredita que nem sempre uma cirurgia de reconstrução é necessária

Um ensaio fotográfico lançado pela Stand Up To Câncer e executado pela fotógrafa Ami Barwell retratou 14 mulheres que estão em remissão ou tratamento e que passaram pela retirada de uma ou das duas mamas.

Créditos: Ami Barwell/Stand Up To Cancer

Fiona O'Donnell, 44, ficou "orgulhosa" por participar do projeto

Gillian Trim, 55, de Londres, é uma delas. Diagnosticada com câncer de mama em 2015, ela teve uma mastectomia dupla e decidiu participar do ensaio para celebrar a própria vida. "Eu queria participar não só para mostrar as outras pessoas que você ainda pode ser sexy e linda após uma mastectomia, mas também para celebrar minha própria jornada e lembrar-me de quão forte eu sou”, contou.

Mel Johnston, 46, de Merseyside, descobriu o câncer de mama em 2014. Apesar dos tratamentos de quimioterapia e radioterapia, o tumor se espalhou pelos nódulos linfáticos e chegou aos pulmões. Incansável, disse que, desde que foi diagnosticada, quer abraçar todas as oportunidades e viver a vida ao máximo. "Eu ainda sou uma mulher e queria mostrar que os peitos não definem minha sexualidade ou gênero. Eu ainda sou eu, apesar de ter uma parte do meu corpo subtraída", ressaltou.

Créditos: Ami Barwell/Stand Up To Cancer

Ensaio retratou 14 mulheres que tiveram câncer e passaram por mastectomia

Para fazer as fotos, a fotógrafa Ami Barwell se inspirou também em uma história bastante familiar. A mãe dela, Sue, teve câncer em 2011 e, após mastectomia e tratamento, ficou totalmente curada.

"Foi absolutamente devastador quando minha mãe foi diagnosticada com câncer de mama. Eu queria lançar este projeto para aumentar a conscientização e mostrar o desafio das mulheres que permanecem igualmente bonitas sem seios", disse.

Créditos: Ami Barwell/Stand Up To Cancer

Debie foi uma das 14 mulheres que posaram para a campanha

A Stand Up To Cancer foi lançada no Reino Unido em 2012 e é uma campanha conjunta de angariação de fundos da Cancer Research UK e Channel 4.

Créditos: Ami Barwell/Stand Up To Cancer

Mel Johnston: "Eu ainda sou uma mulher e queria mostrar que os peitos não definem minha sexualidade

Rachel Carr, chefe do Stand Up To Cancer na Cancer Research do Reino Unido, acredita que o ensaio pode promover maior conscientização sobre a necessidade de pesquisas na área. "Esperamos que essas imagens inspirem a nação para se juntar a nós e ajudar a financiar nossas pesquisas inovadoras, para que possamos ajudar a salvar mais vidas, mais rápido".

Créditos: Ami Barwell/Stand Up To Cancer

Esta participante espera que as pessoas vejam além de suas cicatrizes cirúrgicas

Por QSocial