O filme “Victoria & Abdul”, dirigido por Stephen Frears, baseia-se na história real da relação entre a rainha do Reino Unido, à época com 68 anos, e seu servo indiano Abdul Karim, que tinha 24. Intimidade e romance fizeram parte desse enredo, o que constitui uma boa deixa para falar da libido em idades mais avançadas. E quem tomou a palavra sobre o tema foi a atriz Dame Judi Dench, 82, que vive a rainha Vitória no longa-metragem.

Créditos: Alexandra Glen/Featureflash Photo Agency/Shutterstock

Dame Judi Dench, que vive rainha Vitória no cinema

Em entrevista à revista britânica "Radio Times", ela aconselhou os mais velhos a não desistirem de ter uma vida sexual saudável. E a dica parte de suas próprias vivências. Dame, cujo marido, Michael Williams, morreu de câncer em 2001 – os dois foram casados por 30 anos –, recomeçou a vida amorosa com o fazendeiro David Mills, 73, há cerca de três anos.

“Claro que [nessa idade] você ainda tem desejo”, afirma. “E algum dia ele acaba? Para os leitores mais velhos, eu diria: não desistam.”

E romance e intimidade nem sempre se pautam somente pelas práticas sexuais entre os parceiros. Se a chegada aos “finalmentes” é um mistério que ronda o que se passou entre Vitória e Abdul – o filme se baseia em cartas que trocaram e em diários da rainha –, a atriz, em depoimento à publicação "Good Housekeeping", também dá a entender que o erotismo ganha em amplitude com a experiência.

“Uma noite, durante o verão, nós nadamos e tomamos champanhe no jardim, e eu disse: ‘Isso é tão fantástico’”, ela conta. “Fico superexcitada com as coisas. Amo dar uma risada.”

Créditos: Steve Vas/Featureflash Photo Agency/Shutterstock

Dame Judi Dench namora fazendeiro de 73, mas não quer se casar

Nas entrevistas, Dame quebra ainda paradigmas sobre os rótulos de estabilidade conferidos aos relacionamentos. Ela descarta, por exemplo, o casamento com David. “Ele não vai propor. Não, não, não”, afirma. “Vamos nos juntar e aproveitar a nossa idade. Não sei qual é a palavra, porque não gosto do termo ‘parceiro’.”

Os laços emocionais que envolvem o sexo de fato ganham força depois dos 80, de acordo com uma pesquisa da escola de ciências sociais da Universidade de Manchester, Inglaterra. Um estudo da Universidade de Chicago, por sua vez, mostra que, para 74% das mulheres e 72% dos homens entre 75 e 85 anos, a prática sexual satisfatória é essencial para manter um relacionamento.

Por QSocial